Quinta-feira, 31.01.08

It's over...

Acabou. Como tantas outras vezes. Sabíamos que não seria para sempre. Nunca é. Mas nunca nenhum de nós o disse. Nem tu, nem eu. Era inevitável, só não tinha data marcada.

Mas sabes como sou perspicaz... Não precisavas de dizer nada. Eu fui observando, sentindo. Tu foste ficando diferente... não me tratavas da mesma forma, já quase não tocavas nos meus lábios, na minha boca... Limitavaste a fazer o "indispensável"... mas estava longe de ser o que era. Eu sentia-o e tu sabias disso. Aliás, acho que foste fazendo questão de o demonstrar. Não querias ser tu a decidir, querias que fosse eu a ganhar coragem para agir e para dar tudo por terminado.

Três meses. Pouco tempo, pensarão muitos. Eu digo que foi pouco, mas intenso. Intenso e único. Demos tudo, talvez até me tenhas dado mais do que recebeste. Fazias questão de estar todos os dias comigo e sempre que eu te desejava... tu estavas lá.

Estavas... não estás mais. Esta manhã tive a certeza que seria a última vez. Quando acordei e olhei para ti, não precisávamos de dizer nada. Não houve uma única palavra. Apenas gestos, toques... Saíste da minha vida tal como entraste... de repente.

Se lamento ter-te perdido? Sim... muito! Mas, como já disse, era dado adquirido que iria ser uma relação sem futuro, como foram tantas outras e como serão as próximas. Sim... há sempre uma próxima, quer queiramos, quer não. É mais forte do que nós, é algo que não conseguimos evitar. O desgaste leva ao fim... e esse fim dá lugar a um recomeço.

Poderia ter-te dito tudo isto, mas nunca me puseste muito à vontade para falarmos do que nos inquetava. Os poucos minutos de que dispunhamos, não podiam ser desperdiçados com palavras. Tu querias-

-me e eu queria-te. Éramos inseparáveis naquele pouco tempo que era só nosso. Simbiose perfeita: tu e eu.

Mesmo sabendo que podes não ler uma única linha deste meu desabafo, não fico triste, fico até "aliviada" e com a sensação de que rompemos definitivamente com o que nos ligava. Analisando as coisas friamente, tenho plena consciência que o que houve entre nós não passou do plano físico. E é assim que vou continuar a encarar as futuras relações. Não passarão além do corpo. Nada mais.

E sabes? Não julgues que fiquei destroçada ou a chorar pelos cantos por teres partido. Não penses que me tiraste o sono, a fome ou a vontade de viver. Nada disso! Sou dura na "queda"... tu sabes.

Assim que desapareceste... reagi: tomei um duche e arranjei-me de forma a tentar ficar, pelo menos, apresentável e saí. Precisava arejar, ir à rua, ver gente, misturar-me com a multidão.

E no meio da confusão... lá estava! Já não eras insubstituível. Mais depressa do que eu esperava... aconteceu...

Sabia que iria reviver tudo novamente, mas voltei feliz para casa... Tinha encontrado a minha NOVA ESCOVA DE DENTES!!!!!

 

(Pearl Jam - Last Kiss)

 

Sinto-me: desgostosa mas com esperança
publicado por Teia d´Aranha às 11:18 | Comentar | Ver comentários (20)
Terça-feira, 29.01.08

Hot line...

Qualquer semelhança com acontecimentos reais ou pessoas existentes... não é coincidência...

  

(INEM - Bombeiros de Mafamude)

Eu retive a frase: "A falecer... é aproveitar agora!"

Sinto-me: Tuga... no seu melhor
publicado por Teia d´Aranha às 18:34 | Comentar | Ver comentários (2)
Segunda-feira, 28.01.08

Engana-me... que eu gosto!

Todos conhecem este senhor, certo? Admitindo que existam por aí uns quantos distraídos ou menos interessados nas coisas da música, eu esclareço. Dá pelo nome de Lenny Kravitz, é um músico norte-americano de 43 anos e, há poucos dias, confessou à revista Max que... (abram bem os olhos)... está há  3 (três) anos sem... sexo!!! E porquê? Porque prometeu a si mesmo manter abstinência até encontrar o "par perfeito"!!! (Ah,ah, ah, ah, ah, ah, ah !!!)

 

O senhor disse ainda à revista "É só uma promessa que eu fiz até me casar. No ponto em que estou, a mulher precisa de ter algo mais do que um corpo bonito, mas também uma personalidade e um espírito bonitos". Eu acrescento: ... e, já agora, ser otária também dá jeito, não é Lenny?!

Desculpem lá, mas... quem é que ele quer enganar?! Daqui a nada vai começar a espalhar que o Pai Natal, o Coelhinho da Páscoa, as fadas, os duendes, os gnomos, o Pato Donald e restante família também existem!!!

Por favor, Lenny... poupa-me! Três anos... os tomates! Conta-me outra!

O que fizeste, entretanto? Duches gelados, retiros espirituais, autoflagelação ou... "mão querida"?

Ou será que sofres daqueles problemas que tocam a alguns homens e, por isso, resolveste vir com a história da carochinha para camuflares a tua... "falta de comparência"?

E, por favor, alguém avise o mocinho que o "par perfeito"... é um mito, uma ideia peregrina! É como acreditar no príncipe encantado. Mais cedo ou mais tarde, transforma-se em sapo!

Só vos digo uma coisa, não se espantem muito se, a partir de agora, as letras das canções dele começarem a  não fazer muito sentido... Será a confirmação da demência.

 

 

Get a life, Lenny!

 

Sinto-me: com vontade de ser mázinha...
Música: Led Zeppelin - Dazed and Confused
publicado por Teia d´Aranha às 09:30 | Comentar | Ver comentários (12)
Sábado, 26.01.08

Lamechices

Dou a mão à palmatória: tenho um lado lamechas! Aquele lado que dizem ser típico de "gaja"!

Apesar da minha fama de "iceberg", há pequenas coisas que... me derretem...

Nessa altura, perco-me em pensamentos, frases, lembranças, músicas...

Músicas como a que vos deixo... deixam-me assim... lamechas...

 

Bom fim-de-semana!

 

(Colbie Caillat  - Bubbly)

Sinto-me: na lua...
publicado por Teia d´Aranha às 01:35 | Comentar | Ver comentários (2)
Sexta-feira, 25.01.08

Tupperware Versus Tuppersex

 

Sei que há um número infindável de coisas que me passam ao lado. Que poderia andar mais informada, mais dentro de tudo o que se passa à minha volta, mas a verdade é que tenho as minhas lacunas.

Hoje, confirmei isso mesmo enquanto ouvia o programa Prova Oral, na Antena 3.

Tal como muitos de vós, eu já tinha ouvido falar de reuniões que se fazem em certos domicílios para demonstração deste e daquele produto.

Há para todos os gostos: colchões milagrosos que retiram todas as maleitas conhecidas e desconhecidas; aspiradores que dão cabo do canastro a tudo o que é sujeira e ácaros; tachos e panelas com 25 anos de garantia que cozinham de todas as formas e feitios e cujo peso lhes confere também características de arma de arremesso. E há, claro está, os famosos recipientes em plástico, de formas, cores e tamanhos diversos da prestigiada marca Tupperware. À pala desta marca, já muitas senhoras se reuniram em bando, bebericando litros de chá e morfando quilos de bolo, enquanto mergulhavam no fantástico mundo dos plásticos. Deste universo, eu já tinha ouvido falar!

Hoje, graças à rádio, alarguei os meus horizontes e penetrei, salvo seja, numa outra dimensão: no Tuppersex!

Eu sei que, neste momento, represento, para a maioria de vós, o expoente máximo da ignorância, mas também têm de admitir que é necessária muita coragem para me expor publicamente desta forma.

Pelo que percebi, as reuniões de Tuppersex, desenrolam-se à imagem das da Tupperware, sendo substituídas as caixas herméticas por adereços eróticos que prometem concretizar as mais variadas e loucas fantasias. As senhoras do cházinho e do bolo dão também lugar a mulheres que anseiam viver, nem que seja por uns  escassos minutos, aventuras dignas de novos episódios da série "OSexo e a Cidade".

Mas ao contrário das vendedoras da Tupperware que se deslocavam com toneladas de caixas, as da Tuppersex desembarcam em casa dos clientes com a famosa "Mala Vermelha", repleta de acessórios que são um verdadeiro desafio à imaginação.

Resumindo e concluindo, os mais tímidos podem, desta forma, ter (in)formação, dada por uma especialista, e adquirir, na intimidade do lar, todos os artefactos necessários à realização das mais secretas fantasias, evitando o possível embaraço de uma ida à sex shop mais próxima.

Segundo parece, é de bom tom, no final de cada reunião, dar uma pequena lembrança à pessoa que gentilmente cedeu a casa. No caso da Tuppersex... talvez a palavra "pequena" esteja desajustada... não faço ideia!

Agora, digam-me, era só mesmo EU que ignorava tudo isto?

 

 

P.S.: Pesquisei e fiquei a saber que a "Maleta Roja" surgiu em Espanha. Nuestros hermanos sempre muito mais... à frente!

 

(Ben Harper - Sexual Healing)

Sinto-me: envergonhada por ser tão burra
publicado por Teia d´Aranha às 01:51 | Comentar | Ver comentários (38)
Quinta-feira, 24.01.08

Parabéns, Framboesa!

Preparem-se, pessoal, pois hoje vai dar-me para o sentimento!

O post de hoje é dirigido a uma pessoa muito especial. Apesar de ter carácter particular, não resisti em partilhá-lo. Perdoem-me, mas decerto compreenderão.

Toda a gente tem momentos marcantes na vida. Esses momentos tornam-se marcantes por aquilo que neles acontece ou pelas pessoas que deles fazem parte. Eu não fujo à regra: momentos e pessoas marcantes não me faltam.

Uma dessas pessoas é... a minha "Framboesa".

Conhecemo-nos numa altura em que, por força das circunstâncias, fui obrigada a ir trabalhar para o distrito do Porto, durante dois anos. O trabalho juntou-nos. No primeiro ano não nos relacionámos de forma tão assídua, até porque somos de áreas diferentes. Mas no segundo, alguém teve a ideia de nos juntar para desempenharmos um cargo em parceria. E foi uma brilhante ideia! Digo brilhante, porque nos aproximou e me deu a conhecer o ser humano singular que é a minha "Framboesa", a SÓNIA. Juntas, rimos, chorámos, cuscámos, partilhámos.

Nunca percebi por que tem a maioria das pessoas "medo" de revelar o que sente pelo(s) outro(s). Parece ser sempre bem mais fácil dizer mal do que bem. Por norma, não poupo palavras, muito menos quando se trata de sentimentos. Por isso, já lho disse pessoalmente vezes sem conta e não me canso de repetir, que, apesar da nossa amizade ser muito recente, não deixa de ser sólida, e faz com que ela seja daquelas pessoas que não se esquece. Enumerar aqui tudo o que nela admiro, levar-me-ia a fazer uma lista para lá de extensa. Mas posso resumir, dizendo que se há pessoa que personifica a palavra Amizade no seu estado mais puro, essa pessoa é a "Framboesa". E é também a prova de que a distância não afasta necessariamente as pessoas.

E por que razão resolvi eu dedicar-lhe o post de hoje? Porque o dia 23 de Janeiro passou a ser um dia marcante  na vida dela, simboliza a persistência, a luta, a capacidade de trabalho da minha amiga. Fez a defesa pública, de forma extraordinária (segundo consta), da sua Tese de Mestrado em Ciências do Desporto - Especialização em Gestão Desportiva.

PARABÉNS, SÓNIA! A partir daqui, nem o céu será o limite!

Não estou fisicamente contigo, mas sabes que, mesmo de longe, sigo os teus passos, vivo de forma igualmente intensa as tuas tristezas e inquietações como as tuas alegrias e vitórias. Adoro-te, miúda!

Deixo-te aqui um som que, embora não seja o meu género, tem uma letra e título apropriados. Beijinhos. I miss you!

 

(Groove Armada - My friend)

Sinto-me: Feliz pela conquista da Sónia
publicado por Teia d´Aranha às 01:26 | Comentar | Ver comentários (2)
Terça-feira, 22.01.08

Há versões fantásticas... não há? (parte I)

Mesmo correndo o risco de me tornar repetitiva, hoje, não resisto em  voltar a falar de música. Há quem não se canse de falar de desporto, de pintura, de automóveis, de cinema, de gajas e de gajos... Eu não me canso de falar de música ( e de gajos nalgumas ocasiões...)!

Não sei se partilham da minha opinião, mas, cada vez mais, tenho reparado que muitas cantoras, sobretudo do panorama musical internacional, recorrem a predicados que me deixam piurça e com vontade de as mandar para Marte só com bilhete de ida. Digam-me, por favor, por que raio muitas delas precisam tanto de, nos videoclips, exibir as carnes e de se abanar como se tivessem escrito algures "agite antes de usar"?! Não é suposto mostrarem dotes vocais?  Capacidade de interpretação?! Não é isso que basta?!

Eu fico logo desconfiada que é uma estratégia para camuflar falta de talento natural para as cantorias e, por isso, vamos lá abanar as ancas e o rabo e exibir coxas, umbigos e os milagres do silicone!

Quando assim é, no que a mim me toca, mando tudo para as urtigas: cantora, música e letra. Nem sequer me dou ao trabalho de tentar perceber se há, ali, alguma mensagem digna de registo.

Por isso, fico nas nuvens quando encontro versões dessas músicas onde apenas a voz e o instrumento marcam presença, sem quaisquer artifícios ou maquilhagem... E foi o que aconteceu com a música "Umbrella".

Estão a ver aquela moçoila chamada Rihanna? Surge no videoclip de chapéu de chuva em riste, mas com trajes de quem se prepara para uma performance no varão... Eu, confesso, não me "seduz" a ponta dum chavelho! Mas admito que uma percentagem, sobretudo de machos, me estará, neste exacto momento, a lançar pragas e a encomendar rituais satânicos...

Contudo, acho que a canção adquire todo um outro significado, quando interpretada por um mocinho chamado Alejandro Manzano (dos Boyce Avenue)! E não é preciso sequer mostrar peitorais nem bíceps trabalhados! Ora ouçam e digam lá se não preferem esta versão:

 

Talvez não vos tenha surpreendido, mas vou tentar fazê-lo agora: há uma versão tuga de "Umbrella"! Verdade, verdadinha!

Provavelmente, muitos de vocês já esbarraram nela, uma vez que até já passou num programa de televisão. E aqui, asseguro-vos, há talento à solta e toneladas de esforço e dedicação! Reparem nos diferentes tipos de planos, nos adereços, no coro... Tudo pensado a preceito. E deve ter exigido longas horas de árduo trabalho, visto que é dia nas primeiras imagens e noite cerrada no final!

"Só pra quem gosta"... é o nome da banda. "A minha Zundapp 3"... o título da preciosidade musical...

 

Tenho plena consciência que, depois deste post, muita gente deixará de visitar a minha teia, mas sempre defendi que há riscos que vale a pena correr...

Sinto-me: armada em engraçadinha...
publicado por Teia d´Aranha às 23:39 | Comentar | Ver comentários (8)

Diz-me o que ouves... dir-te-ei quem és...

Tal como estava previsto, o meu dia de ontem, teve início com uma deslocação a Coimbra por motivos profissionais. Como além da minha pessoa, ia apenas mais um colega, decidimos levar apenas um carro... o dele. À hora e no local combinados, lá estávamos.

A viagem decorreu sem incidentes: conversa para aqui, conversa para acolá; música baixa, quase imperceptível, como convém quando trocamos dois dedos de conversa com alguém. Até aqui... tudo bem! Até o sol ajudava a esquecer que ia em trabalho.

10h30: reunião que durou duas horas e meia e que veio a revelar-se mais proveitosa do que eu tinha previsto. Saí satisfeita, embora tenha ficado com a sensação de que vai efectivamente "sobrar para mim".

Mas do que eu nem sequer suspeitava, era do que me esperava na viagem de regresso!

Como já tínhamos, eu e o meu colega, conversado bastante sobre trabalho toda a santa manhã e como a nossa relação é estritamente profissional, o silêncio instalou-se de forma natural... E o que fariam vocês no lugar dele? Provavelmente, o que eu também faria se fosse o meu carro: ligaria o "cantante", o auto-rádio! E assim foi... o silêncio foi substituído pela música.

Como sou uma mocinha que, mal ouve umas notas musicais, fica de "orelha em pé" e se põe a desbravar as letras... nem sequer queria acreditar no que me entrava pelos ouvidos adentro!

Primeiro ainda pensei: " O gajo nem sequer estás a reparar que tem esta cena sintonizada num apeadeiro qualquer." E rapidamente desviei o olhar para o tablier do carro, tentando descortinar que raio de rádio seria aquela. "Nãããããããoooooo... Estou a ver mal", pensei. Não, não estava a ver mal! Estava mesmo escrito "CD"! O gajo tinha aquilo gravado!!!

Daquela música, saíam frases como: "Te amo do fundo do meu coração", "Um homem e uma mulher pró que der e vier", "É tanto amor, tanto querer", num português com sotaque brasileiro e que vim, após "pesquisa", a descobrir ser cantada por uma dupla chamada... (nem acredito que vou escrever isto!)... Leandro e Leonardo. E todo o CD andava à volta da mesma temática: juras de amor eterno!

Naquele momento, pensei que o quadro não poderia ficar mais negro do que já estava. O quadro... negro e eu... verde e quase a espumar-me! Estava redondamente enganada! A coisa atingiu o clímax quando o meu colega resolve que  a dupla passaria a... tripla... e toca de acompanhá-los naquela verborreia melosa. Esta foi a parte em que quase saltei do carro em andamento em plena auto-estrada... mas depois, pensando melhor, achei que rebentar-me toda por causa de um Leandro e de um Leonardo não era de todo justificável.

Eu até admito que frases como as que ilustravam aquelas músicas pudessem mesmo chegar a dar vontade de... acasalar, mas noutro contexto! Junto a um pé de jaca, numa fazenda do Brasil profundo... bem profundo... bem lá no interior! Mas, ali, no carro, em plena A1, não fazia qualquer sentido! Como podia aquele tipo, apenas uns meses mais velho do que eu, ter aqueles gostos?!

De repente, tocou o telemóvel dele... YES! Ele ia, pelo menos, baixar o volume! Efectivamente... baixou e atendeu a chamada em alta-voz. Era a mulher a perguntar se almoçariam juntos. E quando eu achei que nada mais me poderia surpreender naquela viagem... eis que surge a "cereja em cima do bolo"... Eles tratavam-se por "filho" e "filha"!!! Que m**da de relação era aquela?! DDDDDAAAASSSSSEEEEE!!!!!!

Assim que cheguei a casa, só tinha um desejo: expurgar aquele sentimentalismo de trazer por casa com que fui brindada durante 45 minutos... Se assim pensei, mais depressa o fiz: pus-me a ouvir, uns decibeís acima do aconselhado, a música que vos deixo e que me fez renascer. E pensei que, apesar de tudo... "Life is beautiful"! Só espero que "o feitiço não se vire contra o feiticeiro" e que sejam vocês a achar que os meus gostos também são duvidosos... What do you think?

 

(Sixx:A.M. - Life is beautiful)

Sinto-me: enjoada...
publicado por Teia d´Aranha às 01:15 | Comentar | Ver comentários (16)
Segunda-feira, 21.01.08

Qual Lagartixa...

Por vezes, sinto que tenho um David Bowie dentro de mim. Não se ponham já com considerações despropositadas! Eu pareço uma cana rachada a cantar, não tenho um olho de cada cor e não me sinto nenhum camaleão, mas... uma lagartixa. Sim... uma lagartixa. Foi assim que me senti este fim-de-semana. Por momentos, deixei de ser teia e virei lagartixa!

Eu não sei o poder que o sol exerce sobre vocês, mas para mim é um autêntico antibiótico, como se me fizesse sair de um coma profundo.

No sábado de manhã, assim que uns raios tentaram invadir o meu quarto, saltei da cama, despachei-me e deixando para trás as tarefas domésticas (elas não "azedariam"... já o sol... esse... não esperaria!), rumei à minha praia preferida nesta altura do ano. Quando lá cheguei, dei com o cenário perfeito: sol quente, concentrações de gaivotas, mar fabuloso. Crianças brincavam, casais passeavam, "desportistas" faziam a corrida semanal e eu... eu... sentei-me na areia, fechei os olhos, absorvi o máximo de raios de sol que consegui e... não pensei em nada... em absolutamente nada! E senti-me bem... muito bem...

À noite, a palavra lagartixa ganhou toda a sua amplitude! Foram 4... a primeira vitória de 2008... já não era sem tempo! Confesso que, momentos antes do jogo do meu Sporting, fui invadida por um certo receio... O vocábulo "Lagoa" remeteu-me para... água... "meter água". Dado o apito final, o meu receio revelou-se infundado... Thanks God!

Considerações futebolísticas à parte, vou ali, num estantinho, entregar-me nos braços de Morfeu, pois há mais uma semana de trabalho para cumprir e a minha tem início às 10.30 com uma reunião de trabalho na cidade que "tem mais encanto na hora da despedida". Desconfio que esta expressão fará mesmo todo o sentido quando virar costas... reuniões de trabalho só trazem... mais trabalho! Help me... eu só queria um lugar ao sol!!! Será pedir muito?!

 

Sinto-me: Lagartixa ao sol...
Música: David Bowie - "wild is the wind"
publicado por Teia d´Aranha às 00:07 | Comentar | Ver comentários (8)
Sábado, 19.01.08

Miminhos e Sopapos

Hoje, uma conversa com um amigo acerca da minha teia foi o mote para o meu terceiro post e despertou em mim a vontade de lançar um pequeno desafio a quem por aqui deambular. Desafio esse com direito a prémio e tudo! UUUUUUUUUIIIIIIIIIIIII

Mas primeiro deixem-me contextualizar a coisa: a dada altura da conversa, pergunta-me ele se já algum "moscardo" tinha caído na minha teia. Traduzinho por outras palavras, o que ele tentava averiguar era se havia "mouro na costa", se alguém se andava a "afiambrar", a "lançar a escada"... Estão a micar?

Vai daí, começo a pensar que se eu fosse realmente uma teia, assim daquelas gigantesca, não me importaria nada de "capturar" certas e determinadas pessoas. Então, mentalmente elaborei, logo ali, uma lista de "presas"... Mas essa lista dividia-se em duas categorias, a saber:

1ª Categoria: "presas" com direito a miminhos...

 

2ª Categoria: "presas" a quem distribuiria uma tonelada de sopapos e apertaria literalmente o papo até ficarem roxas, com a língua de fora e a implorar misericórdia (categoria talvez demasiado explícita em relação à anterior, não? Vá-se lá saber porquê...).

Arranjar nomes para a primeira categoria não foi tarefa difícil nem morosa... As imagens de George Clonney (mesmo sem máquina de café atrelada) e de Reinaldo Gianecchini povoaram a minha mente à velocidade de um TGV! Imaginei de imediato as... digamos... "conversas" que poderíamos ter sobre os mais variados assuntos da actualidade internacional... Que bela troca de ideias seria!

Nomear alguns energúmenos para a segunda categoria também não me exigiu muita ginástica mental! Embora eu não seja de cultivar ódios ou de ter inimigos de estimação, foi num ápice que me surgiram as imagens de dois ou três professores que tive, de um ou dois colegas de trabalho e até a minha vizinha de cima entrou no rol! Mas a "personagem" que, insistentemente, teimava em encabeçar a lista era alguém cujo nome não posso aqui mencionar sob pena de ser desterrada para todo o sempre... A única coisa que posso adiantar é que se o apanhasse na minha teia, nem tempo lhe daria para pronunciar "Porreiro, pá!".

Mas chega de conversa e  vamos ao desafio: sejam audazes e digam, se fossem vocês a teia, quem incluiriam nas categorias que estabeleci. Atenção: têm total liberdade para, se assim preferirem, se limitarem a uma das categorias.

O desafio está lançado. Toca a "chibarem-se"!

Ok, ok, ok!!! Acabem com a gritaria!!! Eu ia já dizer qual o prémio em jogo... não me esqueci! Pois bem, num momento de total insanidade mental e de generosidade desmedida, decidi que a resposta mais original terá direito a levar para casa... (ouvem-se tambores... pequeno momento de suspense...)...tem direito a levar para casa, dizia eu,.... não um, não dois, mas três... napperons  com que fui presenteada no último jantar de Natal do meu work e dos quais me desfaço num rasgo de completo altruísmo... Quem é amiga, quem é?

A propósito de mimos e de sopapos, de sentimentos contraditórios... apetece-me deixar-vos aqui uma musiquinha de uma banda que ainda hoje de forma agradável me "enche as medidas"... A qualidade do vídeo não é lá grande coisa, mas...enjoy!

 

Sinto-me: Estupidamente generosa!
publicado por Teia d´Aranha às 01:24 | Comentar | Ver comentários (14)

2011:

 J F M A M J J A S O N D

2010:

 J F M A M J J A S O N D

2009:

 J F M A M J J A S O N D

2008:

 J F M A M J J A S O N D

 

  • E que tal ter tomates para dizer o que vai vem e o...
  • El meu marit i jo vam tenir la sort de tenir un pr...
  • Oláaa, alguém sabe onde se encontram...
  • Pode ser interessante...Para quem gosta e QUER esc...
  • Fiquei triste, admirava mesmo a forma como escrevi...

subscrever feeds