Asas

 

 

Voo sem rumo… sem destino…sem ponto de chegada…

Deixo-me simplesmente levar pelas minhas asas.

 

A minha pequenez ganha ainda mais expressão perante a imensidão do espaço onde me perco…

 

Sobrevoo o mundo com sofreguidão, querendo abarcar de uma só vez o sonho e o desejo, o concreto e o palpável…

Nessa minha vontade, a ténue linha entre a fantasia e o real dilui-se e faz brotar em mim a força de que precisava para não cair no vazio…

 

 

Mas o cansaço do meu voo força-me a parar…

 

 

 

Chamas por mim…

 

Pedes que me livre das asas e me aninhe em ti… Pedido feito de forma quase suplicante a que atendo… porque é essa também a minha vontade e desejo.

 

Arrumo as minhas asas … e, na forma cuidadosa  e delicada como o faço, percebes que elas só descansarão… até que me  apeteça voltar a voar…  

 

 

(Creed - Last Breathe)

 

 

Sinto-me: como um pássaro
publicado por Teia d´Aranha às 22:19 | Comentar