Domingo, 24.01.10

E Alpalhão não vale!

 

Sabem aquelas alturas em que parece que o marasmo se instalou de armas e bagagens na nossa vidinha? Em que o dia de hoje é a cara chapada do de ontem e apresenta contornos semelhantes ao de amanhã? Pronto... esse é o sentimento que me tem dominado. E se há gaja a quem a rotina provoca uma comichão do caraças e uma azia desgraçada, essa gaja sou eu!

 

Vai daí, numa tentativa deseperada de muda-de-vida-antes-que-o-ponto-alto-dos-teus-dias-seja-o-trajecto-para-o-centro-de-dia-numa-carrinha-repleta-de-séniores, resolvi que está na hora de acordar e de arregaçar as mangas antes que seja tarde demais e me encontrem num qualquer Bingo, rodeada de amigas septuagenárias, excitadíssimas com a perspectiva de fazer mais uma linha.

 

A teoria é uma coisa muito bonita, sim senhora, mas, na prática, começo por onde? perguntei a mim própria. Ó estúpida, começas por levantar o cu do sofá e bazares de casa! respondi também a mim própria, tentando pôr termo a este descabido monólogo interior. Ok, ok... e bazo para onde? voltei teimosamente a perguntar ao meu alter-ego. Epá, és acéfala?! Pensa, mula! repondeu aquela parte de mim mais carinhosa e que quase sempre me caracteriza.

 

Como ser obediente é também uma das qualidades mais marcantes da minha personalidade ( bem, abelha!), pensei... pensei... voltei a pensar e concluí que levantar o cu do sofá e bazar de casa não chega. Isso já eu faço para ir trabalhar, para ir ao supermercado ou para levar o lixo ao contentor. Não basta bazar uns minutos ou umas horas, pois, como eu sempre digo, "se é para fazer... que seja em grande!". Há que dar à sola, é verdade, mas acompanhada de uma mochila com umas mudas de roupa e com o depósito do carro atestado.

E é aqui que vocês entram! Entram, não no meu carro, mas neste esforço de dar um pontapé à monotonia e um soco à Sá Pinto na pasmaceira.

 

 

O meu pedido é coisa simples: puxem pela cabecinha e recorram aos vossos conhecimentos geográficos/turísticos e deixem aqui sugestões de destinos (tipo vá pra fora cá dentro/escapadinha) que encham as medidas a qualquer um. Mas como eu não sou qualquer uma, esses destinos têm de obedecer obrigatoriamente a determinados requisitos, a saber:

 

- sossego q.b.,

- paisagens de tirar o fôlego,

- gastronomia de comer e chorar por mais,

- alojamento que esteja um nível acima da Pensão Estrelinha e um nível abaixo do Hilton Vilamoura.

 

Juro que tentei não vos meter ao barulho e para isso, confesso, até fui buscar um mapa, fechei os olhos e lancei o dedo em direcção ao desconhecido, fazendo figas para que esse desconhecido não implicasse coisas como tendas de campismo e sacos-cama. E o que ditou a sorte...? ALPALHÃO (wtf?!).

Respirei fundo, pus de lado as minhas reservas em relação ao nome da terra e fui investigar. Às tantas, no meio da minha intensa e animada pesquisa, deparo-me uma imagem daquela singela localidade que me prega ao monitor:

 

 

Caros amigos, se o ex-libris de uma localidade for uma escultura representando um dedo que aponta vigorosamente para o céu, um monumento consagrado às manicures... não contem lá comigo! Alpalhão não vale!

 

Bora lá sugerir outra coisa que isto é coisa p'ra ontem!

  

 

publicado por Teia d´Aranha às 20:10 | Comentar | Ver comentários (40)
Segunda-feira, 29.12.08

Que me caia já um raio na tola se eu falar no "Revelhão"!

 

É tão lixadinho estar com um formigueiro do caraças nos dedos, mortinha por escrever, por produzir aquele que muito provavelmente será o derradeiro post de 2008 e depois, quando sento o rabo na cadeira e ponho as manápulas no teclado, o que é que acontece? Nada! Népia! Nicles batatóides! Não há assunto!

 

Ainda pensei em dizer cobras e lagartos sobre a Passagem de Ano (ou Réveillon para dar um toque de chic!), sobre a piada que acho às listas que se fazem por aí, cheias de desejos e de planos para o ano que se avizinha, sobre o dinheirão que se gasta só para festejar aquilo que mais não é do que a transição de um dia para outro. Pensei... pensei mesmo.

Tudo bem... Já sei que este ano até vamos ter um segundo a mais devido aos caprichos da rotação da Terra e o diabo a sete, mas daí a ser motivo para engolir passas de uva como se fosse a maior das iguarias, para abrir garrafas de Champomi ou de Asti umas atrás das outras e para beijar tudo quanto é bochecha (ou beiças)... vai uma grande distância!

Pensei mesmo em escrever sobre estas tretas todas, mas depois não me apeteceu ouvir "Pronto, lá estás tu com o teu feitio do caralhinho! Não achas piada ao Natal, à Passagem de Ano... a nada!"  

 

(E mal sabem que odeio o Carnaval! Mas mais tarde, lá para Fevereiro, falamos...)

 

Não se trata de não achar piada, trata-se de não me apetecer, por exemplo, embarcar em certos rituais só por que sim. Por que raio não hei-de eu trocar as passas de uva por tremoços ou azeitonas? O Asti por uma cervejola ou um Bongo?

 

E depois há os desejos... Um por cada bago de uva mirrada, ou seja, doze!!! Mas quem é que tem assim tanto desejo para formular num tão curto espaço de tempo?! Quem é que se lembra de todos eles depois?! Não brinquem comigo!!! Aposto a colcha de renda da minha bisavó em como a maioria do pessoal, passados uns minutos, não se recorda nem de metade. Quanto mais de doze!

 

E os destinos? Hoje, os serviços noticiosos davam conta que as paragens mais calientes (Brasil, Cabo Verde...) continuam nas preferências dos Portugueses, mas o Allgarve e a Madeira ainda dão cartas. Só uma dúvida: não era suposto estarmos em crise? Recessão económica, contenção de despesas... não vos diz nada?

 

Quanto à minha pessoa, das duas... uma: ou opto por uma Passagem de Ano sem atropelos nem chavascal e, nesse caso, deito-me aí por volta das 22h que é para não ter de levar com os foguetes e morteiros... ou, então, escolho um programa com mais emoção, mais adrenalina e mais exotismo e vou para o Bairro do Cerco.

Mas decido no próprio dia. Hoje, não. É que ainda estou aqui numa ginástica mental tremenda em busca de tema para o post...

 

 

publicado por Teia d´Aranha às 23:57 | Comentar | Ver comentários (44)

2011:

 J F M A M J J A S O N D

2010:

 J F M A M J J A S O N D

2009:

 J F M A M J J A S O N D

2008:

 J F M A M J J A S O N D

 

  • E que tal ter tomates para dizer o que vai vem e o...
  • El meu marit i jo vam tenir la sort de tenir un pr...
  • Oláaa, alguém sabe onde se encontram...
  • Pode ser interessante...Para quem gosta e QUER esc...
  • Fiquei triste, admirava mesmo a forma como escrevi...

subscrever feeds