E porque este blog é um acérrimo defensor das tradições...

 

Tantas vozes que se erguem para defender os touros de Barrancos, as desfolhadas, a couve lombarda, as vacas mirandesas e barrosãs, os caretos de Pondence, a arte xávega, o grupo Pedrinhas de Arronches, as marafonas de Monsanto e não sei que mais... e eu pergunto: por que raio ainda não surgiu um movimento "Pró Carnaval de Roma"? Isso é que era!

Depois não venham cá argumentar que as tradições se perdem e que as gerações vindouras não beneficiarão de qualquer  legado cultural e mais uns quantos lamentos. Estou só a avisar e a tentar despertar consciências antes que seja tarde demais...

 

"As comemorações, que incluíam bacanais, eram realizadas em Roma entre os meses de Novembro e Dezembro. Na ocasião, ainda segundo os relatos e pesquisas, havia uma aparente quebra de hierarquia social, quando todos se misturavam na praça pública. A separação da sociedade em classes fazia com que houvesse a necessidade de válvulas de escape, através de sexo e bebida.

Os festejos eram de tal importância que tribunais e escolas fechavam as portas durante o evento, escravos eram alforriados e as pessoas saíam às ruas para dançar. Corridas de cavalo, desfiles de carros alegóricos, brigas de papelinhos, corridas de corcundas, lançamentos de ovos e outros divertimentos generalizavam a euforia. Na abertura dessas festas ao deus Saturno, carros com aparência de navios surgiam na "avenida", com homens e mulheres nus. Estes eram chamados os carrum navalis, para muitos a origem da expressão «carnevale»"

 

 

publicado por Teia d´Aranha às 12:07 |