Sábado, 02.01.10

Quando o silêncio não é de ouro

 

O ritual cumpriu-se. Não o das doze passas, o da subida para uma cadeira ou o da moedinha na mão. Cumpriu-se o ritual de limpar números de telefone que não passavam disso mesmo: números. Como já dei a entender tantas vezes, não possuo a faceta de coleccionadora. Guardo apenas o que me preenche, o que me completa. E essa mania alastra-se às pessoas também.

Não consigo evitar. E admito que não seja uma qualidade. Que seja até injusto.

 

Há uns dias, tive a prova dessa injustiça. Determinada pessoa enviou-me uma mensagem, após três anos de silêncio, pedindo-me encarecidamente que lhe explicasse a razão do meu desaparecimento e de a ter, por assim dizer, riscado da minha vida sem uma explicação prévia.

Só consegui apresentar um motivo: "foste "vítima" de uma fase da minha vida em que me cansei... Nem sempre sou uma pessoa fácil de entender... ou quase nunca sou". A explicação parece vaga, mas foi totalmente honesta.

 

Esta situação trouxe-me à memória um outro episódio, vivido num dia de Natal: um telefonema do meu 1º namorado, de quem já nada sabia há 8 anos. Era (e é), há muito, um capítulo da minha vida mais do que encerrado.

Ele, segundo me contou, sentiu necessidade de saber o que era feito de mim, como é que eu estava. Tinha tido, pouco tempo antes, um grave acidente que o fez estar hospitalizado e, nesse tempo, fui uma das pessoas que lhe assaltou a memória. Não tendo já o meu contacto e estando eu já a morar noutro local, deu-se ao trabalho de ligar para vários números de pessoas que moravam na minha antiga rua e, assim, conseguiu o contacto de um familiar meu e, por conseguinte, chegar a mim.

 

Nem sempre sabemos o quão importantes somos ou fomos para determinadas pessoas até que elas nos digam. Nem sempre o silêncio e a distância nos afastam, mas fazem-nos, frequentemente, duvidar do lugar que possamos ocupar na vida dos outros. Nem sempre o silêncio é de ouro. O silêncio é bem-vindo quando interrompido por gestos e por palavras. O silêncio prolongado arrefece sentimentos e apaga lembranças. E, um belo dia, quando nos lembramos de o quebrar ou  quando tentamos preenchê-lo ou até apagá-lo... pode já ser  tarde demais.

 

Esta é uma lição que eu própria tenho de aprender: a de que não devo afastar as pessoas da minha vida sem antes procurar saber o estrago que essa atitude poderá provocar. E, caso esse afastamento seja inevitável, ter pelo menos a decência de o explicar.

 

Não esquecer também que quando gostamos de alguém, seja de quem for, há que dizê-lo, há que demonstrá-lo, pois o dom de ver o que está encerrado dentro das pessoas... só Blimunda o possuía e, que eu saiba, não passa de uma personagem criada por Saramago.

 

 

 

publicado por Teia d´Aranha às 19:08 | Comentar | Ver comentários (18)
Quarta-feira, 13.02.08

Não tenho pachorra...

 

 

... para gente que ou é ou se faz de cega, surda e... burra!

 

Reconheço que tenho um feitio, digamos, muito sui generis, mas tenho como princípio básico o respeito pelo(s) outro(s): o respeito pela individualidade, pelo espaço, pelas ideias, opiniões e, sobretudo vontades ou opções. Por isso, fico fora de mim quando esse mesmo respeito não é tido por mim!

  

Eu gosto de ser directa e frontal, mas procuro, sempre que possível, fazê-lo de forma a não magoar ninguém. Só que começo a pensar que nem sempre isso é viável e que vou ter de usufruir da minha fama de "insensível" e de "rochedo"...  

 

Sempre pensei que certas atitudes e silêncios eram, por si só, suficientemente explícitos e que dispensavam, por isso, palavras e, sobretudo, o advérbio de negação "NÃO". 

 

Quando não respondemos a sms, quando bloqueamos alguém no messenger, quando não retribuimos mails, quando dizemos que não queremos ir tomar café e que não mudaremos de opinião... isso não é já bastante claro?! Não basta?!

 

Será preciso dizer com todas as letras "Enxerga-te! Põe-te a milhas! Não voltes a aparecer-me à frente! Esquece que eu existo!"?! 

 

É o meu mau-feitio em todo o seu esplendor ou terei uma pontinha de razão?

 

Admito muita coisa, mas não aguento invasão de espaço, imposições e desrespeito pelas minhas escolhas. Chamem-me o que quiserem, mas é a minha postura na vida... não consensual, eu sei, mas minha! 

 

 

 

(Lynyrd Skynyrd - Free Bird)

 

 

Quem também não tiver pachorra para músicas de 9 minutos... lamento! Mas digo que vale a pena esperar para ouvir o solo de guitarra, sensivelmente a meio...

 

 

 

Sinto-me: fula com gente que se impõe!
publicado por Teia d´Aranha às 00:09 | Comentar | Ver comentários (12)

2011:

 J F M A M J J A S O N D

2010:

 J F M A M J J A S O N D

2009:

 J F M A M J J A S O N D

2008:

 J F M A M J J A S O N D

 

  • E que tal ter tomates para dizer o que vai vem e o...
  • El meu marit i jo vam tenir la sort de tenir un pr...
  • Oláaa, alguém sabe onde se encontram...
  • Pode ser interessante...Para quem gosta e QUER esc...
  • Fiquei triste, admirava mesmo a forma como escrevi...

subscrever feeds